O tão famoso soro caseiro nada mais é que uma solução aquosa de açúcar e sal de cozinha recomendado para prevenir a desidratação. A funçã...

Como fazer o soro caseiro


O tão famoso soro caseiro nada mais é que uma solução aquosa de açúcar e sal de cozinha recomendado para prevenir a desidratação.

A função do soro caseiro, dado por via oral, é repor água e sais minerais perdidos com os vômitos e diarréia.

O soro deve ser tomado à vontade, a cada 20 minutos, e após cada evacuação líquida ou vômito
.
Preparando o soro caseiro com a colher-padrão

Para evitar erros na concentração, a UNICEF preconiza a utilização de uma colher-padrão (disponível em todo posto de saúde) que apresenta as medidas para a preparação do soro:

• duas medidas rasas de açúcar (medida maior da colher-padrão);

• uma medida rasa de sal (medida menor da colher-padrão);

• um copo (200ml) de água filtrada e/ou fervida.
Preparando o soro caseiro sem a colher-padrão

Caso você não possua a colher-padrão, pode fazer o seguinte:
Modo 1: com uma balança de cozinha

• 40g de açúcar (o soro caseiro tem 40g de açúcar comum, que é sacarose - esta se desdobra em 20g de frutose e 20g de glicose – somente essa é útil na absorção do sódio);

• 3,5g de sal;

• 1 litro de água filtrada e/ou fervida.

"O soro não deve ser nem mais doce e nem mais salgado que água de côco ou lágrima."
Modo 2: com as próprias mãos

• três pitadas de açúcar (alguns textos descrevem como um punhado);

• uma pitada (de três dedos) de sal;

• um copo (200ml) de água filtrada e/ou fervida.

Obs: Não se esqueça de lavar as mãos antes de preparar o soro!

Atenção

O soro deve ser ministrado apenas para prevenir a desidratação ou quando ocorrerem os sintomas iniciais. Em casos mais graves o paciente deve ser encaminhado imediatamente a um médico.

• Mais Dicas sobre como preparar o soro caseiro.

• Quer entender o que os médicos chamam de virose? Leia "Entendendo a tal da virose" e "Meu filho tá com virose".
Fonte: Pediatria Brasil

A população de pacientes internados em unidades de cuidados intensivos neonatais modifica-se a cada ano, sendo os avanços tecnológicos e a...

Fisioterapia motora no tratamento do prematuro com doença metabólica óssea



A população de pacientes internados em unidades de cuidados intensivos neonatais modifica-se a cada ano, sendo os avanços tecnológicos e assistenciais responsáveis por reduzir a mortalidade em 15% na última década, com consequente aumento na sobrevida de prematuros de muito baixo peso(1). Sabe-se, porém, que tais mudanças são acompanhadas de morbidades que afetam diretamente o prognóstico desses recém-nascidos em curto e longo prazo, envolvendo os mais diversos órgãos e sistemas(2,3).

O tecido ósseo sofre consequências deletérias do parto prematuro, visto que o último trimestre de gravidez é o período em que ocorre o maior acréscimo mineral ósseo, com seu pico entre 34 e 36 semanas de gestação(4,5). A deficiência mineral de cálcio e fósforo(5-7), a interrupção do transporte placentário de estrogênio e outros hormônios que promovem formação óssea e a falta de movimentação do feto contra a resistência muscular das paredes do útero (estímulo mecânico e carga ao osso) são fatores envolvidos na fisiopatologia da doença metabólica óssea (DMO)(8-10).

A DMO é uma condição frequente em prematuros, tendo incidência maior que 60% quando o peso de nascimento é inferior a 1000g(11). Engloba, em sua forma mais leve, a osteopenia da prematuridade e, em estágios mais avançados, a osteomalácea e o raquitismo(9).

O grau do comprometimento depende do estágio da doença: quadros leves geralmente cursam com edemas de articulações costo-condrais; quadros moderados, com redução ou interrupção do crescimento longitudinal do osso; enquanto casos extremos podem provocar fraturas ou atelectasias (por falta de sustentação da caixa torácica). Tais manifestações tornam-se evidentes entre a sexta e a 12ª semanas do período pós-natal(5). Além da prematuridade, são citados como fatores relacionados à DMO a nutrição parenteral prolongada (NPP), a icterícia, o atraso na introdução de nutrição enteral ou sua pobreza em conteúdo mineral, a terapia diurética prolongada, a displasia broncopulmonar, além do uso de teofilinas por períodos longos. A administração de corticoides, a enterocolite necrosante e as doenças hepáticas também contribuem para a DMO em prematuros(6,12).

Com a elucidação do curso natural da doença e dos fatores geralmente associados ao seu desenvolvimento, torna-se fundamental que uma equipe multidisciplinar atue na prática clínica para prevenir ou minimizar os déficits sobre a mineralização óssea em prematuros de risco. Tal objetivo é um desafio para os profissionais de saúde, visto que, mesmo diante da administração de dietas especiais com fórmulas fortificadas, o acréscimo mineral no meio extrauterino não se equipara ao esperado no último trimestre de gestação(12).

Diante do risco potencial de desenvolvimento da DMO e suas consequências e da dificuldade em atingir resultados suficientemente satisfatórios com métodos terapêuticos convencionais, a fisioterapia alia-se à terapia nutricional, objetivando minimizar o decréscimo mineral ósseo predominante nas primeiras semanas de vida de crianças prematuras.

Assim, essa revisão aborda métodos seguros para prevenir e tratar o recém-nascido com risco de desenvolver DMO, sendo considerado como terapêutica uma rotina com o posicionamento programado e supervisionado, a massagem e a mobilização passiva de articulações apendiculares. Buscaram-se artigos relevantes para o tema publicados entre 1986 e 2009, utilizando as seguintes palavras-chave: prematuro, calcificação fisiológica, modalidades de fisioterapia, doenças ósseas metabólicas e os respectivos descritores no idioma inglês. Foram selecionados 29 artigos científicos, via MedLine, PubMed e ISI Web, além de um capítulo de livro nacional.



Fisioterapia no recém-nascido com fragilidade óssea

Não é raro defrontar-se com uma equipe que contraindica a fisioterapia no prematuro com DMO. Importante ressaltar que a assistência fisioterapêutica em neonatologia não se resume à aplicação de manobras de higiene brônquica, visto que é dever do profissional atualizado avaliar, acompanhar e tratar o prematuro do ponto de vista motor, identificando precocemente qualquer evidência ou risco para atraso no desenvolvimento neuropsicomotor.

Convém, porém, advertir que, antes da realização dos exercícios propostos, critérios mínimos devem ser analisados para que a assistência possa trazer apenas benefícios. É imprescindível que o recém-nascido tenha idade gestacional de pelo menos 27 semanas, e que no momento do início de intervenção tenha idade pós-natal maior que 72 horas, com a matriz germinativa periventricular, no cérebro, menos suscetível a sangramento. O paciente precisa estar estável do ponto de vista hemodinâmico, com ganho de peso e em ventilação espontânea (podendo fazer uso de oxigênio). Crianças com diagnóstico de displasia broncopulmonar e sepse neonatal tratada que fizeram uso de diuréticos, corticoesteroides, xantinas ou sedativos e nutrição parenteral podem se beneficiar do programa fisioterapêutico por se tratar de grupo de risco para deficiência mineral óssea. Visto que a imobilidade cursa com redução na massa óssea, prematuros com afecção no sistema nervoso central e síndromes genéticas podem ser candidatos à fisioterapia motora(13). De modo geral, faz-se necessário o consentimento da equipe médica e a discussão da importância assistencial em cada caso.

As condutas revistas neste artigo devem ser suspensas na presença de hipertensão ou hipotensão arterial, taquicardia ou bradicardia, taquipneia ou apneia, desconforto respiratório (uso da musculatura acessória, batimento de asa do nariz, tiragens intercostal e subdiafragmática, retração de fúrcula e xifoidea, respiração paradoxal e/ou cianose), saturação periférica de oxigênio menor do que 88% e perda de peso. A avaliação da dor por meio de escalas validadas também direciona a interrupção dos exercícios(14).

A escolha do método terapêutico é individual e deve respeitar a evolução e o grau de fragilidade óssea de cada prematuro, podendo ou não ser eleita apenas uma modalidade de fisioterapia.



Posicionamento

A tensão gerada ao osso favorece um mecanismo regulatório conhecido por mechanostat, em que a formação óssea é diretamente proporcional ao grau de tensão e carga mecânica fornecida ao sistema esquelético(10). Sabe-se que a movimentação ativa influencia diretamente a formação da massa óssea; assim, lesões cerebrais que cursam com alteração no tônus muscular e redução dos movimentos antigravitários são fatores predisponentes ao desenvolvimento de DMO(15). Sugere-se que o emprego de determinadas práticas (comportamentais e ambientais), como a imobilização e o uso de fraldas, pode privar os prematuros de estímulo mecânico e interfere, de alguma forma, na movimentação ativa(16).

É controverso se a preferência por determinada postura pode influenciar o desenvolvimento motor de lactentes saudáveis, porém, é indiscutível que o emprego de posicionamentos fixos e assimétricos em populações de risco culmina em encurtamentos e deformidades em longo prazo(17,18).

Prematuros posicionados em pronação continuamente apresentam importantes alterações motoras, como: desequilíbrio entre os grupos flexores e extensores do pescoço; maior incidência de opistótono; exagerada extensão do tronco que restringe a movimentação centrípeta anterior; dificuldade em permanecer na postura lateral; tendência a manter membros superiores flexionados e abduzidos; cabeça com rotação para um dos lados; predisposição a desvio do pé; e encurtamentos musculares com abdução e rotação externa dos músculos do ombro. A consequência é o bloqueio para a movimentação ativa, gerando adaptação para movimentos compensados e não funcionais. Com esse fundamento, sugere-se uma rotatividade programada quanto ao posicionamento dos prematuros estáveis do ponto de vista hemodinâmico. A alternância postural a cada três horas parece evitar disfunções tônicas em prematuros(19) e, consequentemente, a amplitude plena dos movimentos permite o desenvolvimento fisiológico para o tecido ósseo.

Dentre os diversos benefícios, a alternância de postura fornece estímulo mecânico que proporciona um desenvolvimento mais sinérgico da musculatura, permitindo tônus mais adequado, amplitude de movimento mais ampla e, consequentemente, maior movimentação ativa(20).

Na população de prematuros com maior fragilidade óssea, porém estáveis, o posicionamento alternado é um auxílio que não oferece risco, desde que realizado com devidos cuidados e por pessoal capacitado.



Massagem

Diversos estudos em neonatologia enfatizam benefícios da massagem em prematuros, abrangendo relaxamento, ganho de peso, aumento significativo nos níveis de cálcio sérico, do propeptídeo carboxiterminal do pró-colágeno tipo I (PICP sérico - marcador de formação óssea) e do paratormônio(16,21,22). Acredita-se que a massagem possa ser realizada em prematuros estáveis e com peso mínimo de 600g ao nascimento.

Sugere-se um protocolo de massagem composto por compressões no dorso do bebê, que deve inicialmente estar posicionado em pronação. Deve-se respeitar uma sequência sem causar estresse ou estímulo excessivo ao neonato, sendo: da face e cabeça da criança até o pescoço; do pescoço aos ombros; da região superior do dorso à cintura; da coxa aos pés (em ambos os membros inferiores); dos ombros às mãos e vice-versa (em ambos os membros superiores). Cada região deve ser pressionada durante um minuto, com uma frequência a cada cinco segundos(16). A mudança para decúbito dorsal também pode ser realizada, sendo que benefícios podem ser conquistados pela massagem nessa postura(21). Recomenda-se pressão moderada durante a massagem, pois esta favorece a acentuação da atividade vagal. A massagem promove relaxamento à criança, gerando menor gasto energético e favorecendo o ganho de peso(12,21).



Mobilização passiva articular

Programas de estimulação motora em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) vêm sendo aplicados há mais de duas décadas, porém, somente em 1995 a atuação fisioterapêutica em prematuros com risco para desenvolvimento de DMO passou a ser revista, indicando que exercícios de mobilização passiva interferem favoravelmente na mineralização óssea(23). O protocolo original baseia-se em exercícios de flexo-extensão somados à leve compressão, sendo cada articulação do esqueleto apendicular movimentada cinco vezes. Com uma sessão diária durante quatro semanas (dois dias de repouso na semana), prematuros com pelo menos duas semanas de vida conquistaram maior ganho de peso, diferença quanto à densidade e à massa óssea e melhora no conteúdo mineral ósseo (CMO) em relação ao grupo controle(24). Tais exercícios demonstram outros benefícios além do ganho de peso, como maior comprimento do antebraço, maior área óssea (avaliado por DEXA - dual photon absorptiometry), maior CMO e massa magra(25).

Quando o protocolo é aplicado mais tardiamente, por volta da quarta semana de vida, também se observa aumento significativo do peso corporal, melhora na mineralização óssea, com aumento de marcadores de formação óssea (fosfatase alcalina e PICP), além de redução do telopeptídeo carboxiterminal (ICTP), considerado como marcador de reabsorção óssea e como reflexo da atividade osteoclástica. Nenhum exame de imagem confirma a relação desses marcadores com a real densidade óssea(26).

Se há estabilidade clínica e condições para realizar a fisioterapia motora, prematuros que, entre o quarto e o sétimo dias de vida sejam adequados para a idade gestacional, estejam com nutrição enteral apropriada e peso maior que 800g podem ser submetidos aos exercícios. Após quatro semanas de intervenção, à análise do ultrassom quantitativo pode-se observar estabilização na velocidade do som, sendo a mesma reduzida em grupos que não recebem mobilização passiva articular (a velocidade do som é diretamente proporcional à densidade e CMO)(8,27).

O prolongamento da aplicação diária de mobilização passiva para oito semanas fornece uma chave importante sobre o período necessário de realização dos exercícios para se obter benefícios na mineralização óssea. A ausência de alteração na massa óssea em prematuros submetidos à flexo-extensão passiva é benéfica, uma vez que quando grupos não submetidos aos exercícios têm redução de massa óssea. O período de maior atenuação da perda de massa óssea ocorre até a quarta semana de intervenção, porém, a ampliação para oito semanas permite observar que os resultados até então obtidos se mantiveram durante esse período, sugerindo a importância de aplicar o protocolo por um tempo prolongado(4).

Durante as primeiras oito semanas de vida, sabe-se que prematuros demonstram aumento espontâneo de marcadores de formação óssea, como a fosfatase alcalina, e redução de marcadores de reabsorção, como o ICTP. Entretanto, não há associação comprovada entre os marcadores ósseos e a velocidade do som ao examinar o recém-nascido com ultrassom quantitativo. Tal dado permanece ainda obscuro, porém, sugere-se a possibilidade de que as mudanças nos marcadores precedam mudanças estruturais ou na densidade óssea. Todavia, resultados opostos também foram encontrados, com mudanças no exame de ultrassom e ausência de alterações dos marcadores(4,27,28).

Recentemente, a Biblioteca Cochrane publicou uma revisão sistemática sobre os efeitos dos programas de atividade física no crescimento e mineralização óssea em prematuros. A revisão incluiu apenas os artigos que utilizaram exercícios de mobilização passiva. Nenhum risco potencial foi demonstrado pela revisão, e não foram notificados episódios de fratura. Os revisores mencionam a pobre metodologia dos estudos e concluem que há fraca evidência de que exercícios de mobilização passiva promovam ganho de peso e mineralização óssea em curto prazo em bebês prematuros, sendo sua importância clínica questionável. Entretanto, resultados significativos foram encontrados nos artigos inseridos nesta revisão(29).

A idade do recém nascido parece exercer influência direta sobre o CMO, visto que prematuros com IG média ao nascimento de 29 semanas, avaliados com idade pós-conceptual de 40 semanas, apresentam menor CMO (40%), comparados aos nascidos a termo (RNT). Porém, quando os prematuros atingem uma média 50 semanas de idade pós-conceptual, observa-se um valor cinco a dez vezes maior de CMO do que no grupo de RNT. Dessa forma, acredita-se que a discrepância da mineralização óssea entre prematuros e recém-nascidos a termo seja amenizada quando os primeiros atingem aproximadamente 40 semanas de idade pós-conceptual. Todavia, é importante ressaltar que tal resultado foi encontrado em uma amostra de recém-nascidos adequados para a idade gestacional, estando o peso provavelmente relacionado ao resultado obtido(30).

Diante da variabilidade da metodologia dos estudos (exames utilizados, peso ao nascimento, amostra reduzida e interferência de cuidados gerais como estímulo tátil no grupo controle, entre outros), os resultados encontrados podem ter sido subestimados ou superestimados, dificultando a elucidação dos efeitos da atividade física em prematuros com risco de DMO. Apesar da divergência dos estudos, a maioria indica benefícios da mobilização passiva articular no prematuro, inclusive quando os exercícios são realizados antes de 40 semanas de idade gestacional corrigida e por períodos prolongados(4,27).



Considerações finais

Confiar na resolução espontânea da mineralização óssea em uma população de risco parece não ser o ideal, visto que os fatores de risco podem se sobrepor, aumentando a fragilidade óssea e todas as suas consequências deletérias. É fundamental que o fisioterapeuta tenha experiência e conhecimento para decidir qual método pode aliar benefício e segurança para o paciente, além de estabelecer junto à equipe médica o melhor momento para iniciar a terapia, e se a mesma deve ser interrompida. Padronizar o atendimento de fisioterapia motora ao prematuro de risco para DMO é importante em uma população de risco para complicações que podem gerar prejuízo na recuperação da doença de base, com o desenvolvimento de sequelas que exigem maior período de internação e maiores custos.



Referências bibliográficas

1. Horbar JD, Badger GJ, Carpenter JH, Fanaroff AA, Kilpatrick S, LaCorte M et al. Trends in mortality and morbidity for very low birth weight infants, 1991-1999. Pediatrics 2002;110:143-51. [ Links ]

2. Chan K, Ohlsson A, Synnes A, Lee DS, Chien LY, Lee SK. Survival, morbidity, and resource use of infants of 25 weeks' gestational age or less. Am J Obstet Gynecol 2001;185:220-6. [ Links ]

3. Euser AM, de Wit CC, Finken MJ, Rijken M, Wit JM. Growth of preterm born children. Horm Res 2008;70:319-28. [ Links ]

4. Litmanovitz I, Dolfin T, Arnon S, Regev RH, Nemet D, Eliakim A. Assisted exercise and bone strength in preterm infants. Calcif Tissue Int 2007;80:39-43. [ Links ]

5. Catache M, Leone CR. Critical analysis of pathophysiological, diagnostic and therapeutic aspects of metabolic bone disease in very low birth weight infants. J Pediatr (Rio J) 2001;77(Suppl 1):S53-62. [ Links ]

6. Goulart AL. Osteopenia da prematuridade. In: Kopelman BI, Santos AM, Goulart AL, Almeida MF, Miyoshi MH, Guinsburg R. Diagnóstico e tratamento em neonatologia. São Paulo: Atheneu; 2004. p.393-8. [ Links ]

7. Abrams SA. In utero physiology: role in nutrient delivery and fetal development for calcium, phosphorus, and vitamin D. Am J Clin Nutr 2007;85:604S-7S. [ Links ]

8. McDevitt H, Ahmed SF. Quantitative ultrasound assessment of bone health in the neonate. Neonatology 2007;91:2-11. [ Links ]

9. Rauch F, Schoenau E. Skeletal development in premature infants: a review of bone physiology beyond nutritional aspects. Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed 2002;86:F82-5. [ Links ]

10. Sharp M. Bone disease of prematurity. Early Hum Dev 2007;83:653-8. [ Links ]

11. Avila-Díaz M, Flores-Huerta S, Martínez-Muñiz I, Amato D. Increments in whole body bone mineral content associated with weight and length in pre-term and full-term infants during the first 6 months of life. Arch Med Res 2001;32:288-92. [ Links ]

12. Field T, Diego MA, Hernandez-Reif M, Deeds O, Figuereido B. Moderate versus light pressure massage therapy leads to greater weight gain in preterm infants. Infant Behav Dev 2006;29:574-8. [ Links ]

13. Rohana J, Hasmawati J, Zulkifli SZ. Risk factors associated with low bone mineral content in very low birth weight infants. Singapore Med J 2007;48:191-4. [ Links ]

14. Blauer T, Gerstmann D. A simultaneous comparison of three neonatal pain scales during common NICU procedures. Clin J Pain 1998;14:39-47. [ Links ]

15. Eliakim A, Nemet D, Friedland O, Dolfin T, Regev RH. Spontaneous activity in premature infants affects bone strength. J Perinatol 2002;22:650-2. [ Links ]

16. Aly H, Moustafa MF, Hassanein SM, Massaro AN, Amer HA, Patel K. Physical activity combined with massage improves bone mineralization in premature infants: a randomized trial. J Perinatol 2004;24:305-9. [ Links ]

17. Carmeli E, Marmur R, Cohen A, Tirosh E. Preferred sleep position and gross motor achievement in early infancy. Eur J Pediatr 2009;168:711-5. [ Links ]

18. Porter D, Michael S, Kirkwood C. Is there a relationship between preferred posture and positioning in early life and the direction of subsequent asymmetrical postural deformity in non ambulant people with cerebral palsy? Child Care, Health Dev 2008;34:635-41. [ Links ]

19. Vaivre-Douret L, Ennouri K, Jrad I, Garrec C, Papiernik E. Effect of positioning on the incidence of abnormalities of muscle tone in low-risk, preterm infants. Eur J Paediatr Neurol 2004;8:21-34. [ Links ]

20. Sweeney JK, Gutierrez T. Musculoskeletal implications of preterm infant positioning in the NICU. J Perinat Neonatal Nurs 2002;16:58-70. [ Links ]

21. Ferber SG, Kuint J, Weller A, Feldman R, Dollberg S, Arbel E et al. Massage therapy by mothers and trained professionals enhances weight gain in preterm infants. Early Hum Dev 2002;67:37-45. [ Links ]

22. Vickers A, Ohlsson A, Lacy JB, Horsley A. Massage for promoting growth and development of preterm and/or low birth-weight infants. Cochrane Database Syst Rev 2004;(2)CD000390. [ Links ]

23. Field TM, Schanberg SM, Scafidi F, Bauer CR, Vega-Lahr N, Garcia R et al. Tactile/kinesthetic stimulation effects on preterm neonates. Pediatrics 1986;77:654-8. [ Links ]

24. Moyer-Mileur L, Luetkemeier M, Boomer L, Chan GM. Effect of physical activity on bone mineralization in premature infants. J Pediatr 1995;127:620-5. [ Links ]

25. Moyer-Mileur LJ, Brunstetter V, McNaught TP, Gill G, Chan GM. Daily physical activity program increases bone mineralization and growth in preterm very low birth weight infants. Pediatrics 2000;106:1088-92. [ Links ]

26. Nemet D, Dolfin T, Litmanowitz I, Shainkin-Kestenbaum R, Lis M, Eliakim A. Evidence for exercise-induced bone formation in premature infants. Int J Sports Med 2002;23:82-5. [ Links ]

27. Litmanovitz I, Dolfin T, Friedland O, Arnon S, Regev R, Shainkin-Kestenbaum R et al. Early physical activity intervention prevents decrease of bone strength in very low birth weight infants. Pediatrics 2003;112:15-9. [ Links ]

28. Litmanovitz I, Dolfin T, Regev R, Arnon S, Friedland O, Shainkin-Kestenbaum R et al. Bone turnover markers and bone strength during the first weeks of life in very low birth weight premature infants. J Perinat Med 2004;32:58-61. [ Links ]

29. Schulzke SM, Trachsel D, Patole SK. Physical activity programs for promoting bone mineralization and growth in preterm infants. Cochrane Database Syst Rev. 2007;(2):CD005387. [ Links ]

30. Congdon PJ, Horsman A, Ryan SW, Truscott JG, Durward H. Spontaneous resolution of bone mineral depletion in preterm infants. Arch Dis Child 1990;65:1038-42. [ Links ]


Juliana MorenoI; Luciana Volpiano FernandesII; Camila Campos GuerraIII

IEspecialista em Fisioterapia Respiratória Pediátrica e Neonatal pela Unifesp, São Paulo, SP, Brasil
IIPós-graduanda em Pediatria e Ciências Aplicadas à Pediatria do Departamento de Pediatria da Unifesp, São Paulo, SP, Brasil
IIIEspecialista em Fisioterapia Respiratória pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo; Coordenadora da Fisioterapia Pediátrica do Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, São Paulo, SP, Brasil

Nesse contexto, um artigo publicado pelo periódico Psicologia Hospitalar, aborda os principais aspectos da vivência dos pais dentro da...

A vivência paterna na UTI Neonatal


Nesse contexto, um artigo publicado pelo periódico Psicologia Hospitalar, aborda os principais aspectos da vivência dos pais dentro da UTI. Os autores investigaram a experiência paterna durante o período de internação do recém-nascido prematuro na unidade.

Foi constatado que que os pais demonstravam carinho e envolvimento com seus filhos, mesmo diante do filho “não esperado”.

Diante da situação de internação de seus bebês, também mostraram sentimentos como tristeza, medo, susto, indicando que passam por processos de adaptação e enfrentamento semelhantes aos das mães de seus filhos. Já ter passado pela mesma experiência antes amenizou o sofrimento paterno, como evidenciou um pai em seu relato.

Dizer que o pai não se preocupa tanto com o bebê quanto a mãe ou que é mais distante de seu filho, parece não corresponder à realidade. Tal suposição precisa ser reformulada pelas equipes profissionais, e pelos próprios pais (mãe e pai), que ainda consideram natural algumas práticas parentais serem direcionadas principalmente às mães. Ainda relacionada a esse ponto está a importância que atribuem ao trabalho, que é visto como responsabilidade masculina indispensável e referência fundamental no exercício da paternidade.

Segundo os autores, a valorização do médico, percebido pelos pais como detentor do poder de mudar a situação, beneficia o processo de adaptação paterna. Porém, tal status atribuído ao médico pode trazer insegurança, pois nem sempre é suficientemente esclarecedora a comunicação com a família, que busca compreender melhor o diagnóstico e os procedimentos médicos. É comum a comunicação ocorrer em linguagem pouco acessível aos pais, resultando em compreensão insatisfatória, dúvidas e inquietações. O envolvimento de toda equipe multidisciplinar em relação a clareza das informações pode ser um procedimento eficiente para melhorar esta situação.

Os autores concluem ainda que os pais não perceberam que também são merecedores de atenção, tanto quanto suas companheiras. Por este motivo, é imprescindível propor novos modelos de atendimento pelos profissionais de saúde nas UTI's, evitando direcionar os cuidados e responsabilidades somente para as mães.


Fonte: Vivências paternas em UTI Neonatal. Psicol. hosp. (São Paulo) v.4 n.2 São Paulo ago. 2006. Sibelle Maria Martins de Barros Paulo Rogério Meira Menandro; Zeidi Araujo Trindade. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal do Espírito Santo - Brasil.

in: http://www.prematuridade.com/2011/04/vivencia-paterna-na-uti-neonatal.html

Existe uma grande preocupação mundial com o aumento da obesidade no mundo. A obesidade é um problema que não afeta soment...

Desenvolvimento Infantil x Atividade Física da Criança



Existe uma grande preocupação mundial com o aumento da obesidade no mundo. A obesidade é um problema que não afeta somente os adultos, ela é uma doença que preocupa bastante pelo aumento dos seus índices na infância.

A obesidade traz como consequências: aumento da pressão arterial, diabete, dislipidemia (aumento do colesterol) e mais recentemente, aumento dos casos de câncer. Com o aumento exagerado desta doença, existe uma preocupação mundial com a melhora dos hábitos alimentares e também com o incentivo à prática de exercícios. Já é consenso mundial que a prática de exercícios físicos diminui os índices de obesidade, melhora a massa óssea e a força muscular em adultos, além de melhorar a pressão arterial, diabetes, doenças inflamatórias crônicas, cognição, auto-estima e consequentemente melhora psicológica.

Desde 2006 existe uma preocupação em melhorar a prática de exercícios físicos em crianças, mas não se sabia o quanto de exercícios seria recomendado, qual o melhor tipo de exercícios e quais seriam os reais benefícios do exercício físico para as crianças. Hoje em dia já se sabe dos benefícios da prática de exercícios físicos para crianças e também dos benefícios para crianças bastante pequenas (zero a 4 anos de idade).
No Canadá, após avaliação de vários estudos científicos, desenvolveu-se um consenso sobre a prática de atividade física para crianças. Este consenso está de acordo com outros consensos dos Estados Unidos, Reino Unido e Austrália que preconizam as mesmas recomendações.

Por que a atividade física é importante para as crianças?
Porque melhora o desenvolvimento motor; melhora a aquisição de habilidades de motricidade fina; promove o crescimento; constrói ossos e músculos fortes; mantém e desenvolve a flexibilidade; promove a manutenção do peso adequado; melhora o sistema cardio-circulatório; melhora a postura; promove a oportunidade de amizades, e melhora a auto-estima.

Se você é pai ou cuidador de uma criança, você precisa ter consciência de dois ensinamentos importantes para promover a saúde e o bem estar delas: toda a criança necessita de pelo menos 60 minutos de atividade física moderada a intensa todos os dias; criança não deve ficar mais de 2 horas do seu tempo por dia em aparelhos de televisão e ou eletrônicos (computador, jogos, internet) principalmente durante o dia.

Quais as atividades que são recomendadas: as atividades físicas recomendadas devem ser compostas por exercícios de moderada a forte intensidade, aquelas que deixam as crianças "sem fôlego", ditas aeróbicas, tais como: andar de bicicleta, nadar, correr, jogar futebol, basquete, ballet. Certamente estas atividades físicas devem ser realizadas de maneira que as crianças se divirtam com elas.

Como, nós adultos, podemos ajudar: servindo como exemplo, sendo ativos quando estamos com as crianças; incluir atividades físicas em programas familiares; estimular a ida à escola caminhando ou de bicicleta; pensar em uma atividade física quando ouvir: "não tenho nada para fazer, estou entediado"; estar sempre preparado para realizar com a criança uma atividade física, tendo em casa ou no carro bolas, pipas, bicicleta, frisbees (discos de plástico que servem para jogar em rotação); encorajar a criança a trocar TV, computador e jogos eletrônicos por atividades esportivas; negociar tempo de utilização de computadores, TV e eletrônicos; trabalhar junto com a escola no aumento das atividades esportivas para as crianças; quando presentear a criança, comprar brinquedos que estimulem a atividade física como, por exemplo: bicicletas, skates, cordas, pipas, discos de plástico, etc.

Crianças pré-escolares, de zero a 4 anos de idade também devem se exercitar diariamente. O tempo diário recomendado é maior comparado às crianças escolares e aos adultos. O que muda é o tipo de atividade física e a intensidade do exercício que varia conforme a idade da criança. A recomendação atual é de 3 horas durante o dia, em atividades que variam de acordo com sua faixa etária: 1 ano: brincar ou rolar no chão, gatinhar, brincar com bolas ou outros brinquedos que sejam seguros para a idade. Deixar a criança explorar o ambiente e para isso promover um lugar seguro sob supervisão de adultos ou educadores; 1-4 anos: promover atividades que estimulam o movimento como o caminhar, subir escadas, dançar, rastejar; brincar em lugares abertos para que se incentive o caminhar, o correr, subir obstáculos, pular.

Já estão comprovados os benefícios da atividade física para crianças pequenas e é consenso mundial que as crianças mantenham o mínimo necessário para manter a sua saúde. A atividade física para crianças de zero a 4 anos de idade melhoram e mantêm o peso da criança , melhoram as habilidades motoras, melhoram o aprendizado e a atenção, melhoram a pressão arterial e a resistência à insulina, melhoram a composição óssea, além de promoverem a maior disposição e felicidade.

Portanto, a atividade física é importante para lactentes, crianças pré-escolares e escolares e nós cuidadores devemos promover ambientes que permitam que as crianças se exercitem. Crianças não devem ficar paradas por períodos prolongados, a não ser que estejam dormindo. Todos nós precisamos ser mais ativos e dar o exemplo a elas.

* Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) - Conversando com o Pediatra - Depto. Científico do Comportamento e Desenvolvimento

O consultório do pediatra, alergista ou pneumologista pode não ser o lugar favorito do seu filho, mas é onde ele deve se sentir...

Asma: 5 coisas que você precisa dizer ao pneumologista do seu filho


crianca_pediatra (Foto: Shutterstock)

O consultório do pediatra, alergista ou pneumologista pode não ser o lugar favorito do seu filho, mas é onde ele deve se sentir à vontade para dizer como se sente em relação à asma. Essa foi a conclusão de um estudo publicado na revista científica Annals of Allergy, Asthma & Immunology, do Colégio Americano de Alergia, Asma e Imunologia, que mostrou que as crianças que relatam detalhes sobre a doença aos especialistas têm melhor qualidade de vida do que os seus pais pensam.

"Nossa pesquisa mostrou que os especialistas devem perguntar aos pais e crianças de que forma a asma afeta o dia a dia delas", disse em nota a cientista Margaret Burks, principal autora do estudo. "Os pais, muitas vezes, pensam que os sintomas são melhores ou piores do que a criança está realmente enfrentando, especialmente se eles não estão com seus filhos durante todo o dia."

Para facilitar, os cientistas fizeram uma lista do que os especialistas precisam saber em cada consulta. Anote aí:

1. A asma impede a criança de praticar esportes e participar de outras atividades.
Se esse é o caso do seu filho, é importante contar ao especialista. Isso pode ser um indício de que a doença não está sendo controlada da forma adequada. Se acontecer o oposto, ou seja, a criança participar de todas as atividades, também conte ao médico do seu filho para que ele saiba que está no caminho certo.

2. Fora de casa, os sintomas da doença pioram.
Estima-se que 60 a 80% das crianças com asma também têm algum tipo de alergia associada. Pólen, mofo, poeira e pelos de animais são alérgenos quase inevitáveis e pioram os sintomas da asma do seu filho. Nesse caso, o alergista pode incluir vacinas contra alergia como parte do tratamento.

3. Seu filho se sente triste e diferente das outras crianças por causa da doença.
Quase metade das crianças asmáticas relata que se sente deprimida ou deixada de fora das atividades devido à sua condição. Qualquer pessoa com asma deve ser capaz de se sentir bem e ativa e isso deve ser comunicado ao especialista.

4. A criança já perdeu dias de aula por conta do problema.
A asma é a doença crônica mais comum na infância e é uma das principais causas de ausência na escola. A pesquisa mostra que as crianças asmáticas que estão sob os cuidados de um especialista têm 77% menos chances de faltar à escola.

5. A asma desapareceu.
Sim, é isso que se espera de um tratamento bem-sucedido. Mas é importante a criança continuar com o tratamento prescrito pelo médido, mesmo que os sintomas não causem incômodo. É importante lembrar que a asma não tem cura e, diante de descuidos, um ataque pode acontecer a qualquer momento.

Faça Fisioterapia