A doença óssea de Köhler é causada por um fornecimento de sangue insuficiente para o osso navicular do tarso. Esse fornecimento de...

Doença óssea de Köhler


image.png

A doença óssea de Köhler é causada por um fornecimento de sangue insuficiente para o osso navicular do tarso. Esse fornecimento de sangue insuficiente causa a necrose e o colapso do osso navicular do tarso. A causa desse fornecimento de sangue insuficiente é desconhecida.

A doença óssea de Köhler em geral afeta crianças com três a cinco anos de idade (mais comumente meninos) e afeta somente um pé. O pé incha e fica dolorido e o arco do pé fica sensível. Carregar pesos e andar aumenta o desconforto e a maneira de andar (marcha) da criança fica prejudicada.

Acesse o blog da Fisioterapia

Radiografias mostram que o osso navicular está inicialmente achatado e endurecido. Depois, ele se parte em fragmentos antes de cicatrizar e endurecer formando novamente um só osso. Radiografias comparando o lado afetado com o lado não afetado ajudam a avaliar a progressão da doença.

A doença óssea de Köhler raramente dura mais do que dois anos. Repouso e analgésicos são necessários e deve-se evitar carregar pesos excessivos. Essa doença em geral melhora sem tratamento e sem consequências de longo prazo. Em casos graves, fazer com que a criança use um gesso próprio para caminhar que fica abaixo do joelho por algumas semanas pode ajudar. Geralmente, não é necessário usar muletas se um gesso próprio para caminhar for utilizado.

A doença óssea de Köhler é uma osteocondrose, que é um grupo de distúrbios da placa de crescimento dos ossos que ocorre quando a criança está crescendo rapidamente. Os médicos não sabem o que causa a osteocondrose, porém os distúrbios parecem ser de fato um mal de família.

Crianças não são pequenos adultos. As doenças ortopédicas que acometem os pacientes pediátricos são diferentes. O esqueleto em desenvol...

Fisioterapia na Pediatria e o uso da Arnica




fisioterapia pediátrica

Crianças não são pequenos adultos. As doenças ortopédicas que acometem os pacientes pediátricos são diferentes. O esqueleto em desenvolvimento apresenta particularidades e vulnerabilidades, com patologias próprias de cada idade. As fraturas não são iguais, os ossos quebram de forma diferente e algumas vezes a fratura pode atingir a região de crescimento do osso. Por exemplo, uma lesão óssea pode prejudicar o crescimento e gerar deformidades que não aconteceriam em um adulto. Logo, os tratamentos também exigem abordagens distintas e conhecimentos específicos.

O mercado para profissionais que pretendem construir carreira na área da fisioterapia pediátrica é considerado amplo e promissor. “Essa é uma área de atuação que necessita de especialidades e muitas qualificações, para que o profissional trate o paciente com segurança e qualidade”, salienta Ribeiro.

Nesse sentido, o profissional poderá atuar em diferentes níveis de atenção:

Atenção primária: contempla o atendimento em postos de saúde e serviços de atendimento familiar;

– Nível secundário: envolve clínicas de reabilitação, tanto do sistema público quanto privado;

– Nível terciário: aborda serviços de urgência e emergência.

Para ficar por dentro do que acontece na fisioterapia pediátrica, é importante você se qualificar. Isso pode ser feito por meio de atualizações profissionais, por exemplo, ou frequentando congressos e simpósios.

Pernas e braços roxos nem sempre são sinais de doenças. A prática do esporte e as brincadeiras podem ocasionar hematomas para os que têm uma vida saudável e querem aproveitar a brecha no calendário. Como eliminar as incômodas manchas púrpuras?

A planta Arnica montana tem seus poderes medicinais conhecidos desde a Idade Média e já recebeu muitos nomes populares, entre eles o de "quina dos pobres", fazendo alusão aos efeitos antitérmicos do vegetal.

Por questões de solo e clima, seu cultivo é muito difícil no Brasil, ela é nativa dos Alpes suíços. Possui lindas flores amarelo-alaranjadas, parecidas com as margaridas. Aqui no país encontramos diversas outras espécies que são popularmente chamadas de arnica, mas que têm em comum somente a sua aplicação contra hematomas ou para aliviar distensões musculares. Para a homeopatia ela é uma só, com nome e sobrenome, a Arnica montana.

Aplicada imediatamente após uma lesão, a Arnica montana reduz a formação do hematoma, é muito utilizada no tratamento da artrite, de queimaduras, ulceras eczemas e acne.

Esta planta é rica em substâncias denominadas flavonóides que agem sobre os vasos sanguíneos, em carotenóides (grupo de pigmentos solúveis em gorduras), em ácidos fenólicos que têm ação bactericida e fungicida e, principalmente, em lactonas sesquiterpênicas que são responsáveis pelas propriedades antiinflamatórias, antihematomas e analgésicas.

Externamente, salvo naqueles casos de pessoas com sensibilidade, o uso é tranquilo, existindo inúmeros produtos à base de Arnica como géis, talcos, pomadas, óleos no mercado mundial. Sua presença nos kits de primeiros socorros ou na mala da academia é bastante comum.

Aplicada imediatamente após uma lesão, a Arnica montana reduz significativamente a formação do hematoma, é muito utilizada no tratamento da artrite, de queimaduras, ulceras eczemas e acne; suas qualidades antibacterianas e antiinflamatórias ajudam a reduzir a dor e o edema e melhoram a cicatrização de feridas.

Tratamento pela semelhança

Os especialistas sempre dizem que a cura em homeopatia é baseada na Lei da semelhança. Mas, o que isso quer dizer? Empregam-se substâncias que potencialmente podem gerar os sintomas que o paciente apresenta, de forma altamente diluída. O resultado? Uma cura rápida e permanente.

Quando alguém vai se submeter a uma cirurgia, independente se estética ou curativa, o cirurgião pode valer-se desta capacidade da Arnica montana em doses homeopáticas. O medicamento irá, preventivamente, preparar a reação do organismo para a ?contusão?, o edema e a inflamação que os cortes cirúrgicos provocam, ajudando no restabelecimento e evitando as complicações.

Estes medicamentos são seguros, pois sendo altamente diluídos, não geram efeitos colaterais, nem dependência e não interagem com outros medicamentos. Seu uso se baseia em dados experimentais e sua eficácia está garantida pela lei da semelhança, que é uma das leis de cura medicamentosa.

Esta é uma das possibilidades de utilização da Arnica montana, isto é, a forma preventiva. Outra forma é aquela decorrente da consulta homeopática, onde o médico após analisar o conjunto sintomático do paciente encontra na Arnica montana o seu medicamento. Pode acontecer inclusive de o paciente receber a prescrição deste medicamento, tempos depois de ter sofrido uma contusão ou até mesmo tempos depois de uma contusão moral.

O grande desafio na utilização correta de utilização dos medicamentos homeopáticos está justamente na adequação da indicação, naquilo que chamamos de diagnóstico medicamentoso. A adequação do grau da diluição também é parte importante do sucesso terapêutico.

Com isso, já somos capazes de usufruir da famosa Arnica montana, sabendo que sua utilização em doses mínimas só nos trará benefícios, com a segurança e a eficácia

Publicado em 17/12/10 e revisado em 06/05/20

Faça Fisioterapia