Prematuridade como Fator de Risco a Paralisia Cerebral








INTRODUÇÃO

A prematuridade é considerada como um dos grandes problemas de saúde pública, contribuindo com elevados números para morbi-mortalidade infantil e para invalidez (1). Entretanto, esses recém-nascidos têm tido maior sobrevida e podem vir a apresentar um desenvolvimento neuropsicomotor inferior às crianças nascidas a termo (2).

A criança que nasce prematura seja em decorrência do menor tempo de gestação (abaixo de 37 semanas) e/ou com peso inferior a 2500 gramas poderá apresentar disfunções neurológicas transitórias, envolvendo coordenação motora fina e grossa, postura, equilíbrio, reflexos e principalmente distonias. Estas alterações ocorrem em virtude da imaturidade do recém-nascido pré-termo (RNPT) (3).

Quanto menor a IG ou o peso ao nascer, maior o risco de ocorrerem problemas durante o período de parto e asfixia neonatal (4).

Os nascimentos abaixo de 37 semanas de gestação, decorrem de algumas condições maternas e fetais que predispõe ao parto prematuro, sendo apontadas entre elas fatores demográficos, como a idade materna abaixo de 19 e acima de 40 anos, mães sem companheiro e com pouca instrução. Fatores comportamentais como o estado nutricional, atividade física excessiva, o uso de drogas e o tabagismo. Os cuidados pré-natais inadequados, riscos médicos e complicações da gravidez, também podem levar a partos pré-termo (5; 6; 7).

Fatores de risco como nascimento pré-termo e baixo peso podem interferir no ritmo e nos padrões motores das aquisições adquiridas durante o primeiro ano de vida da criança (8).  

A prevenção do parto prematuro consiste na prevenção de fatores demográficos (orientação pré-nupcial e planejamento familiar), sócio-econômicos, comportamentais (suspensão do fumo e do álcool), biomédicos (pré-natal bem conduzido e evitar e tratar doenças durante a gestação) e atenção médica (pré-natal bem conduzido, deter trabalho de parto prematuro e acelerar maturação pulmonar) (1).

A afecção neurológica mais importante do período neonatal, que acomete principalmente o recém- nascido (RN) pré-termo com peso de nascimento menor que 1750g, é a hemorragia peri-intraventricular, a qual ocasiona graves seqüelas motoras e intelectuais. Esta é uma das causas mais freqüentes de agressão ao sistema nervoso central (SNC) neste período (9). A hemorragia peri-intraventricular desenvolve-se por uma imaturidade da matriz germinativa, onde é observada a presença de vasos de pequena espessura, ainda formados somente por tecido endotelial. Como o fluxo sangüíneo cerebral depende da pressão arterial sistêmica e o RNPT não possui auto-regulação de seu sistema cardiovascular, qualquer variação na pressão arterial sistêmica alterará o fluxo sangüíneo cerebral e, conseqüentemente, levará ao rompimento dos vasos com possibilidade de ocorrência de uma lesão isquêmica (10; 11). 

Os recém-nascidos prematuros extremos que sobrevivem ao período neonatal, apresentam um risco elevado de apresentar intercorrências no neurodesenvolvimento a longo prazo, dentre tais intercorrências, destaca-se a Paralisia Cerebral (PC) (12).

A encefalopatia crônica da infância foi descrita pela primeira vez em 1843 por Little, que a definiu como patologia ligada a diferentes causas e características, principalmente por rigidez muscular. Em 1862, estabeleceu a relação entre esse quadro e o parto anormal. Freud, em 1897, sugeriu a expressão PC, que mais tarde foi consagrada por Phelps, ao se referir a um grupo de crianças que apresentavam transtornos motores mais ou menos severos devido a lesão do SNC, semelhantes ou não aos transtornos motores da Síndrome de Little (13;14).

O termo Paralisia Cerebral, é considerado por muitos autores inadequado, uma vez que significaria a parada total de atividades físicas e mentais, o que não corresponde ao caso. Atualmente, tem-se utilizado o termo Encefalopatia Crônica Não Progressiva ou Não Evolutiva para deixar bem claro seu caráter persistente, mas não progressiva, apesar das manifestações clínicas poderem mudar com o desenvolvimento da criança e com a neuroplasticidade. Ainda, o termo é útil para diferenciar a PC das Encefalopatias Crônicas Progressivas, que decorrem de patologias com degeneração contínua (15).

PC é designada como um conjunto de afecções do SNC ocorrido durante a infância, de caráter não-progressivo e que apresenta clinicamente alterações da motricidade, isto é, distúrbios do movimento, da postura, das reações de equilíbrio e da coordenação motora, com presença variável de movimentos involuntários. Estes autores consideraram que a definição mais adotada por especialistas, desde 1964 caracteriza PC como um distúrbio permanente, embora não invariável, do movimento e da postura, devido a defeito ou lesão não progressiva do cérebro no começo da vida (16).

A prevalência de PC das formas moderadas e severas está entre 1,5 e 2,5 por 1000 nascidos vivos nos países desenvolvidos. Em países subdesenvolvidos, considerando todos os níveis da PC, a incidência deve chegar a 7:1000 (17).

A incidência de PC é, aproximadamente, de dois recém-nascidos para cada 1000 nascidos vivos. Nos recém-nascidos pré-termo extremos, o risco relativo é 40 vezes maior para o desenvolvimento de PC (12).

O comprometimento do SNC, nos casos de PC, decorre de fatores endógenos e exógenos. Dentre os fatores endógenos deve-se considerar o potencial genético herdado, ou seja, a maior ou menor suscetibilidade do cérebro para se lesar. No momento da fecundação, o novo ser formado carrega um contingente somático e psíquico que corresponde a sua espécie, a sua raça e aos seus antepassados. O indivíduo herda, portanto, um determinado ritmo de evolução do sistema nervoso. Junto com as potencialidades de sua atividade motora, instintivo-afetiva e intelectual, herda também a capacidade de adaptação, ou seja, a plasticidade cerebral, que é a base da aprendizagem (18;14).

Entre os fatores exógenos, o tipo de comprometimento cerebral vai depender do momento em que o agente atua, de sua duração e da sua intensidade. Quanto ao momento em que o agente etiológico incide sobre o SNC em desenvolvimento, distinguem-se os períodos pré-natal, perinatal e pós-natal (19).

No período pré-natal, as principais causas são infecções e parasitoses (rubéola, toxoplasmose, citomegalovírus e HIV); fatores maternos (doenças crônicas, anemia grave, desnutrição, mãe idosa); radiações (diagnósticas ou terapêuticas); intoxicações (drogas, álcool, tabaco); traumatismos (direto no abdome, queda da gestante) (19).

A prematuridade extrema (menos que 32 semanas de gestação), baixo peso, anóxia, hipóxia isquêmica, infecções e complicações placentárias e hemorragia cerebral, estão entre as causas peri-natais. As paralisias cerebrais adquiridas no período pós-natal podem ser causadas por acidentes neurovasculares, infecções do SNC (meningite), cirurgias neurológicas e traumas cranianos (13).

Em 75% a 90% dos casos de PC as causas ocorrem antes ou durante o nascimento, sendo que em 10% a 25% dos casos, após o nascimento (20).

Diversos estudos mostram a associação entre a inadequação peso ao nascimento/idade gestacional e o maior risco de morbidade neurológica, incluindo desde danos cerebrais permanentes, como a PC e o retardo mental, até formas leves de atrasos de desenvolvimento (21).  A incidência de risco neonatal varia com o peso de nascimento, idade gestacional e peso para idade gestacional (22).

O diagnóstico da PC deve ser baseado em uma história clínica completa, na avaliação física e neurológica da criança, ou seja, nas manifestações motoras que constituem sua principal característica clínica. São comuns os achados de atraso no desenvolvimento, presença de reflexos primitivos, anormalidades tônico-posturais, hiperreflexias e sinais patológicos, como o sinal de Babinski. Tais manifestações podem mudar com o desenvolvimento da criança, e seu transtorno funcional ir se estruturando com o tempo (15).

O atraso ou o desvio do desenvolvimento motor pode ser o primeiro indicador de desordens neuromotoras, como a PC (23).

O desenvolvimento neuropsicomotor da criança é um fator relevante no desenvolvimento infantil. As aquisições motoras no primeiro ano de vida são aspectos importantes no prognóstico do desenvolvimento global da criança, pois o período compreendido entre o nascimento e o término do primeiro ano de vida é considerado um dos mais críticos no desenvolvimento da criança (24).

A classificação topográfica (distribuição corpórea) da PC é descrita como: monoplegia/paresia, hemiplegia/paresia, diplegia/paresia, triplegia/paresia, quadriplegia/paresia (tetraplegia/paresia) (25).

De acordo com Cândido (2004) a classificação de PC baseada no envolvimento motor é descrita como: espasticidade; movimentos involuntários; rigidez; ataxia; hipotonia e mista.

A classificação de PC ainda é descrita baseada no grau de gravidade, ela depende basicamente da percepção do observador. O aspecto funcional é o mais importante e o grau de comprometimento motor pode ser classificado como: leve, moderada e grave (15).

Além do distúrbio motor, indispensável para caracterização de PC, o quadro clínico pode incluir também outras manifestações acessórias como deficiência mental, epilepsia, distúrbios da linguagem, distúrbios visuais, distúrbios do comportamento e distúrbios ortopédicos. Todos esses distúrbios acontecem devido a alterações nas áreas motoras cerebrais específicas durante a infância (16).

OBJETIVOS

O presente estudo tem como objetivo avaliar a prevalência de prematuridade em crianças com Paralisia Cerebral de 0 a 6 anos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Patos de Minas.

 MATERIAIS E MÉTODOS

Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) do Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM). Trata-se de um estudo descritivo, do tipo transversal não-controlado, com levantamento de dados em prontuários, que tem como objetivo avaliar a prevalência de prematuridade em crianças com Paralisia Cerebral, de 0 a 6 anos de idade, na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), de Patos de Minas.

Inicialmente, o estudo foi apresentado à direção da APAE de Patos de Minas, através de uma carta de apresentação (ANEXO I), e foi assim devidamente autorizado (ANEXO II).

Em um segundo momento após a autorização do estudo, foi realizado um levantamento de dados dos prontuários e fichas de alunos de 0 a 6 anos de idade nascidas de 2002 a 2008, com diagnóstico médico de Paralisia Cerebral, identificando o sexo de cada um e aqueles que possuem idade gestacional inferior a 37 semanas (pré-termos ou prematuros).

A coleta de dados foi realizada durante o mês de setembro de 2008, em uma sala reservada na APAE de Patos de Minas.

Logo após a coleta dos dados, os resultados foram analisados, sendo apresentados na forma de porcentagem.

RESULTADOS

Foram analisados 26 prontuários de alunos de 0 a 6 anos de idade, com diagnóstico de Paralisia Cerebral na APAE de Patos de Minas, dos quais 14 (53,8%) eram do sexo feminino e 12 (46,2%) do sexo masculino (Gráfico 1).

 

 

Observou-se que dos 26 prontuários avaliados, 16 eram de crianças nascidas pré-termo, correspondendo a aproximadamente 61,5%, e 10 crianças nascidas a termo, correspondendo a 38,5% (Gráfico 2).

Das 16 crianças nascidas pré-termo, 9 (56,25%) eram do sexo feminino e 7 (43,75%) eram do sexo masculino (Gráfico 3).

Das 10 crianças nascidas a termo, 6 (60%) eram do sexo feminino e 4 (40%) eram do sexo masculino (Gráfico 4).

 

 

A relação de crianças nascidas pré-termo com diagnostico de Paralisia Cerebral entre os anos de 2002 a 2008, foi nenhuma crianças nascida em 2002, 3 crianças nascidas em 2003 (18,75%) , 5 crianças nascidas em 2004 (31,25%), 5 crianças nascidas em 2005 (31,25%), 2 crianças nascidas em 2006 (12,50%), 1 criança nascida em 2007 (6,25%) e nenhuma criança nascida em 2008, até a data as coleta de dados (Gráfico 5).

 

Não foi possível avaliar a idade gestacional em semanas ou meses, pois os prontuários não continham tais dados, apenas se a criança era ou não pré-termo.

DISCUSSÃO

Grande parte dos estudos relacionados ao fator de risco prematuridade, investigam a relação desta com a paralisia cerebral. Nos últimos anos, em decorrência da maior sobrevida de crianças pré-termo e, portanto, do maior tempo de acompanhamento, danos menores a essas crianças tem ocorrido (26).

Os resultados obtidos no presente estudo nos permitem concordar com outros autores em relação à maior prevalência de prematuridade em crianças com paralisia cerebral. No estudo de Cronemberger, Mendonça & Bicas (27), cujo objetivo foi avaliar o uso de toxina botulínica na correção de estrabismo horizontal em um grupo de 24 crianças portadores de paralisia cerebral, com idade entre 6 meses e 13 anos, sendo 15 do sexo masculino e 9 do sexo feminino, mostrou que 16 (67%) eram pré-termo e 8 (33%) a termo.

Os resultados do presente estudo também estão de acordo com o estudo de Finnstrom, et al. (28), onde foram avaliadas 633 crianças aos três anos, que haviam nascido com 1.000 g ou menos e idade gestacional superior a 23 semanas. Foi detectada a presença de paralisia cerebral em 7% das crianças estudadas, e houve associação deste evento com a pequena idade gestacional. A freqüência foi de 14% nas crianças com idade gestacional entre 23 e 24 semanas, 10% naquelas com idade gestacional entre 25 e 26 semanas, e 3% nas nascidas com mais de 27 semanas de gestação. A incidência de paralisia cerebral nessas crianças foi cinqüenta vezes maior do que a encontrada nas nascidas a termo, durante o período estudado. A prematuridade está associada com 33% dos casos de PC, havendo concordância com o presente estudo (29). Já no estudo de Melo et al (1998), onde foi avaliado o desenvolvimento neuromotor e o estado cognitivo de 70 prematuros, apenas 6(8,6%) apresentaram PC, mostrando que neste estudo a prevalência de casos de PC foi baixa, discordando com os resultados do estudo em questão (30).

O risco de comprometimentos como a PC, é notadamente maior para os prematuros extremos (idade gestacional menor do que 26 semanas), identificados pelo muito baixo peso ao nascer (inferior a 1.500 g) e pelo extremo baixo peso (inferior a 1.000 g). Isto foi demonstrado quando avaliaram o desenvolvimento de crianças prematuras extremas ou com extremo baixo peso ao nascer, que sobreviveram, no período anterior e posterior a 1990. Nos dois períodos, a morbidade aumentava com o decréscimo da idade gestacional e era similar a freqüência de alterações de desenvolvimento (31). No estudo de Rijken et al (32) também foi demonstrado que os riscos de morbidades aumentam quanto menor a idade gestacional e o peso ao nascimento. No presente estudo não foi possível verificar a IG, pois tais dados não continham nos prontuários.

No estudo de Cesa et al (33), em uma amostra de 12 crianças com Paralisia Cerebral, mostrou maior predominância do sexo feminino (67%) sobre o masculino (33%), concordando com o estudo em questão, no qual também houve maior predominância do sexo feminino (53%). Porém no estudo de Cronemberger, Mendonça & Bicas (27), em uma amostra de 24 crianças com PC, o sexo predominante foi o masculino (62,5%) sobre o feminino (37,5%), discordando com os resultados do estudo presente. Acredita-se que o maior número de crianças na amostra do estudo de tais autores, justifique a maior predominância do sexo masculino em relação ao feminino.

O presente estudo demonstrou que o número de nascimentos de crianças pré-termo com PC foi maior nos anos de 2004 e 2005. Porém não foram encontradas pesquisas que correlacionem alguma patologia ao maior número de casos nesse período.

O aumento da incidência dos casos de paralisia cerebral em países desenvolvidos, se dá devido à melhoria nos cuidados médicos perinatais, contribuindo para um aumento na sobrevivência de crianças prematuras e com baixo peso (34).

Nas últimas três décadas, após a implementação das Unidades de Tratamento Intensivo Neonatais (UTIN), houve melhora considerável da sobrevivência dos recém-nascidos pré-termo. No entanto, a melhoria dos índices de sobrevivência dessas crianças não se refletiu de maneira homogênea na redução das seqüelas no desenvolvimento, permanecendo ainda o risco de comprometimento no desenvolvimento neuropsicomotor, como a paralisia cerebral, mesmo no prognóstico a curto, assim como a médio e longo prazo. O risco é notadamente maior quanto menor a idade gestacional e peso ao nascimento.  Os riscos de morbidade, mortalidade e de atraso no desenvolvimento são baixos para as crianças nascidas próximo ao final da gestação, mas são crescentes com a acentuação da prematuridade, e especial atenção tem sido dada àquelas crianças com idade gestacional inferior a 32 semanas. A partir do exposto, acredita-se que o aumento de casos de PC em crianças prematuras deve-se ao fato da melhor assistência ás crianças de risco, pois antigamente não havia tal assistência e ocorriam mais mortalidades, e atualmente com a melhoria dos serviços de saúde, ocorre uma maior sobrevivência dessas crianças, e conseqüente aumento da morbidade (35).

CONCLUSÃO

O maior número casos de prematuridade em crianças com paralisia cerebral se dá ao fato de melhoras nos cuidados pré, peri e pós- natais nos últimos anos, contribuindo para um menor índice de mortalidade e consequentemente aumento de morbidades como a paralisia cerebral. Desta forma sugere-se ser imprescindível á adoção de medidas mais diretas nos serviços de saúde que garantam uma maior atenção mãe-filho desde o pré-natal, parto e em todo período neonatal, principalmente no que diz respeito á prevenção de afecções relacionadas ao parto pré-termo e a complicações como a PC.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FLÁVIO, A.C. Prematuridade - Fatores etiológicos. Pediatria (USP), São Paulo, v.8; p. 169-171;1986.

BARBOSA, V.C.; FORMIGA, C.K.M.R.; LINHARES, M.B.M. Avaliação das variáveis clínicas e neurocomportamentais de recém-nascido pré-termo. Revista Brasileira de Fisioterapia: São Carlos. v.11, n.4, p. 275-281, jul/ago/2002.

CASTRO, G.G. Caracterização das crianças prematuras nascidas na cidade de Patrocínio/MG, no ano de 2004: uma contribuição da fisioterapia para o programa de saúde da criança. 2005. 65f. Dissertação (Mestrado em Saúde)- Universidade de Franca, Franca, 2005.

MAC DONALD, et al. Neonatal asphyxia: realationship of obstetric and neonatal complication to neonatal mortality in 38.405 consecutive deliveries. Jornal de pediatria, v.96, p. 898-902, 1980.

AMON, E. et all. Factores responsible for preterm infant (< 1000 gm). Am J. Obstet. Gynecol. v.156, p. 1143-1148, 1987.

MAIN, D.M. The epidemiology of preterm birth. Clinical Obstetrics and Gynecology. 1988; p. 31-57.

GOLDENBERG, R.L.; ROUSE, D.J. Prevention of premature birth. N. Engl. J. Med., v.339, p. 313-320, 1998.

MANCINI, M.C., VIEIRA, F.L. Desenvolvimento motor em crianças nascidas com baixo peso: uma revisão de literatura.Temas sobre desenvolvimento, São Paulo, v.6, n.52, p. 21-24, 2000.

TAVARES E.C, CORRÊA F.F, VIANA M.B. Fatores de risco para hemorragias peri-intraventriculares em recém-nascidos com peso menor de 2000 gramas. Jornal de Pediatria, v.74, supl. 1, p. 17-24.1998.

JORCH G, JORCH N. Failure of auto regulation of cerebral blood flow in neonates studies by pulsed Doppler ultrasound of internal carotid artery. Eur. J. Pediatric, v. 146, p. 468-472, 1987.

ABREU, L.C. A hemorragia peri-intraventricular do recém-nascido pré-termo, Fisio Brasil, v.65, supl. 1, p. 38-42, 2004.

NELSON, K.B, ELLENBERG, J.H. Antecedents of cerebral palsy. Multivariate analysis of risk. N Engl J Med. v.315, p.81-86, 1986.

DIAMENT, A. Encefalopatia Crônica na infância (paralisia cerebral). In: DIAMENT A. e CYPEL A. (org). Neurologia Infantil. 3. ed. São Paulo: Atheneu, 1996, v.1, p. 781-798.

ROTTA, N.T. Encefalopatia Crônica da Infância ou Paralisia Cerebral. In: PORTO, C.C. Semiologia Médica. 4.ed. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2001, p. 1276-1278.

CÂNDIDO, Ana Maria Duarte Monteiro. Paralisia cerebral: abordagem para o pediatra geral e manejo multidisciplinar. 2004. 51f. Monografia (Curso de Residência Médica em Pediatria)- Hospital Regional da Asa Sul, Brasília, 2004.

LEITE, J.M.R.S.; PRADO, G.F. Paralisia Cerebral: Aspectos Fisioterápicos e Clínicos. Neurociências, São Paulo, v.12, n.1, p. 41-45, 2004.

PIOVERSANA, A.M.S.G. et all. Encefalopatia Crônica (Paralisia Cerebral): etiologia, classificação e tratamento clínico. In: FONSECA, L.F.; PIANET, G.; XAVIER, C.G. Compêndio de Neurologia Infantil, 1.ed.  Rio de Janeiro: Médic, 2002, p. 823-853.

ROBERTSON, C.; SAUVE R.S.; CHRISTIANSON H.E. Province- based study of neurologic desability among survivors weighing 500 through 1249 grams ai birth. Pediatrics, v.93, p. 636-640, 1994.

ROTTA, N.T. Paralisia Cerebral, novas perspectivas terapêuticas. Jornal de Pediatria, Porto Alegre, v.78, supl. 1, 2002.

NOETZEL, M.; MILLER, G. Traumatic Brain injury as a cause of cerebral palsy. In: MILLER, G.; CLARK, J. The Cerebral Palsies: Causes, Consequences and Management. Boston: Butterworth- Heineimann, 1998.

STRAUSS, R.S. Adult functional outcome of those Born small for gestational age: twenty- six- year follow-up of the 1970 British Birth Cohort. Jama, v. 283, p. 625-632, 2000.

VOHR, B.R., et al. Neurodevelopmental and functionsl outcomes of extremely low birth weight inhants the National Institute of Child Health and Human Development. Pediatrics, v.105; p. 1216-1226, 2000.

WASHINGTON, K; DEITZ, J.C. Performance of full-term 6 month-old infants on the moviment assessment of infants. Pediatrics Phys Ther, v.60, n.4, p. 65-74, 1995.

MANCINI, M.C., et al. Comparação do desempenho de atividades funcionais em crianças com desenvolvimento normal e crianças com paralisia cerebral. Arq. Neuro-psiquiatr.v.60, n.2B, p. 32-35, 2002.

ROSENBAUM, P. Cerebral palsy: what parents and doctors want to know. British Medical Journal, v.326, n. 7396, p. 970-974, 2003.

HACK, M.; TAYLOR, H.G. Perinatal brain injury in preterm infants and later neurobehavioral function. JAMA, v.284, p.1973-1974, 2000.

CRONEMBERGER, M. F.; MENDONÇA, T. S.; BICAS, H. E. A. Toxina botulínica no tratamento de estrabismo horizontal em crianças com paralisia cerebral. Arq Bras Oftalmol. V. 69(4); p. 523-529, 2006.

FINNSTROM, O; et al. Neurosensory outcome and growth at three years in extremely low birthweight infants: follow-up results from the Swedish national prospective study. Acta Paediatr. v.87, p. 1055-1060, 1998.

PHAROAH, P.D.D.; COOKE, R.W.I., ROSENBLOOM, L. Birthweight specific trends in cerebral palsy. Arch Dis Child., v.65, p. 602-606, 1990.

MELLO, R.R., et al. Avaliação neurológica e ultra-sonográfica cerebral neonatal. Rev. Saúde Pública, v. 32 (5), p. 420-429, 1998.

HACK, M.,  FANAROFF A.A. Outcomes of children of extremely low birthweight and gestational age in the 1990´s. Early Hum Dev. v.53, p.193-218, 1999.

RIJKEN, M., et al. Mortality and neurologic, mental, and psychomotor development at 2 years in infants born less than 27 weeks' gestation: the Leiden follow-up project on prematurity. Pediatrics. v. 112, p. 351-358, 2003.

CESA, C.C., et al. Funções do sistema estomatognático e reflexos motores orais em crianças com encefalopatia crônica infantil do tipo quadriparesia espástica. Rev Cefac: São Paulo, v.6, n.2, p.158-163, abr-jun, 2004.

MANCINI, M.C., et al. Estudo do desenvolvimento da função motora aos 8 e 12 meses de idade em crianças nascidas pré-termo e a termo. Arquivo de Neuropsiquiatria: Belo Horizonte, v.60, n.4, p. 974-980, 2002.

NAUFEL, H,G. Avaliação da idade gestacional e classificação do RN. In: Rugolo LMSS. Manual de neonatologia. 2. ed. Rio de Janeiro; São Paulo: Revinter; Sociedade de Pediatria de São Paulo, p.37-43. 2000.

Artigo Publicado em: 10.03.2009
Autor(a): Lorena A. Vieira
                 Danyane S. Gomes

Artigo Publicado em: 10/03/2009
Autor(es):
Lorena A. Vieira(1); Danyane S. Gomes (2)

Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.