Hiperatividade Infantil: sintomas ou patologia?


>



Hoje em dia é muito frequente ouvir-se dizer que uma criança é hiperativa nos mais variados contextos, escolar, familiar e social. Pois bem, importa saber o que é a hiperatividade e que sintomas apresenta.

A hiperatividade é caracterizada por uma instabilidade constante em que a criança não consegue estar quieta, mostra-se desastrada, levanta-se na aula, fala sem parar, interrompe, não se consegue concentrar e manter a atenção, não consegue estar muito tempo a ver um vídeo ou a fazer tarefas escolares, não espera pela sua vez, tem dificuldade em controlar as emoções, enfurece-se com facilidade.

As causas para este distúrbio são várias, indo desde a hipótese genética e neurofisiológica até as teorias que encontram explicação nas vivências da criança desde o seu nascimento, nomeadamente na relação com os pais, ou substitutos.

Para a primeira e segunda hipótese, os estudos não são conclusivos, sugerem uma explicação mas não a demonstram. Na hipótese neurofisiologica os estudos sugerem uma disfunção cerebral derivada de lesão no sistema nervoso central. A eficácia do metilfenidato vulgo "Ritalina", em alguns casos, é motivo para não se por de parte esta hipótese. É possível que a origem da hiperatividade seja multifatorial, ou seja, genética, neurofisiologica e psíquica, no entanto o que a prática clínica demonstra é uma realidade bem diferente na maioria dos casos.

Maurice Berger, Pedopsiquiatra e Psicanalista francês que acompanhou 60 crianças e respectivas famílias durante longo tempo, desde 1978 até aos dias de hoje num estudo longitudinal conclui que, sem excluir eventuais factores neurofisiológicos, este trabalho permitiu descriminar vários subgrupos de crianças instáveis ou com hiperatividade, em função da sua história familiar e relacional precoce o que possibilitou encontrar uma verdadeira patologia do movimento.

Assim, foi encontrado nas histórias de vida destas crianças, relações muito prejudicadas ou insuficientes com a mãe, pais imprevisíveis nas suas interacções com a criança, pais com um grau de exigência muito grande em relação à criança, pais que impõem a sua vontade à criança de uma forma incondicional, mães deprimidas numa fase precoce aquando do nascimento da criança, mães instáveis e nervosas, crianças sem limites educacionais a quem os pais deixam fazer tudo. De salientar no estudo que as crianças sem lesão neurofisiológica não apresentavam melhoras quando lhes era administrado o medicamento. Este estudo refere ainda que a percentagem de crianças com hiperatividade resultante de lesão no sistema nervoso central é de apenas 5%, nos casos observados. Assim grande percentagem desta afecção é de origem emocional e referente ao ambiente relacional em que a criança cresceu como refere Imidio Salgueiro, psicanalista português, na sua tese de doutoramento em 2002.

O facto das crianças nada poderem dizer acerca da sua instabilidade, leva a que se levantem inúmeras hipóteses que não as favorecem, conduzindo, muitas vezes, a diagnósticos demasiado óbvios, pois tudo parece encaixar nos sintomas. O que não encaixa, é que a história pessoal de cada um é diferente, logo, as causas são diferentes e os sintomas por certo também. Assim podia-se evitar medicar as crianças, pois nem todas beneficiam dos efeitos da terapêutica, sendo de investir em psicoterapia para a criança e apoio psicopedagógico para a família, e colmatar de algum modo as falhas que ficaram por preencher ao nível do seu psiquismo, e das suas emoções frágeis e instáveis.

Um alerta para pais e técnicos. A hiperatividade numa criança, nem sempre é óbvia, ou seja por traz da instabilidade poderão estar outros problemas. Embora seja mais fácil, perceber e aceitar um diagnóstico de hiperatividade, do que outro, baseado nas relações e interacções do meio relacional da criança, que coloca em causa o papel da família nomeadamente dos pais, será conveniente pensar antes de deixar medicar e rotular uma criança. Culpabilizar os pais também não serve de nada. Apenas gera mais instabilidade. Cabe aos psicólogos, enquanto profissionais da saúde mental, o papel de ajudar pais, técnicos e crianças a ultrapassar as angústias dessas falhas, para que se diluam no tempo a bem da saúde mental das crianças desta geração e das que se seguem.
Share on Google Plus

About Faça Fisioterapia

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment